Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Padrões respiratórios, saúde bucal e sono em crianças.

Introdução

Os distúrbios do sono afetam a qualidade de vida das crianças e estão relacionados à respiração bucal, uma das principais causas de má oclusão. Alterações nos mecanismos de defesa mediados pela saliva e hábitos bucais deletérios podem estar associados a cáries, mudanças na erupção dentária e desenvolvimento dos maxilares, respectivamente.

Objetivo

Estudar a incidência de respiração bucal e sua associação com distúrbios do sono, cárie dentária, má oclusão e hábitos bucais deletérios, em pré-escolares.

Métodos

Em um estudo transversal, foram selecionadas, pela Secretaria de Educação de Botucatu/SP, crianças de escolas com diferentes indicadores socioeconômicos. No total, 150 crianças, na faixa etária entre 6 e 11 anos (média=7,51 anos), de ambos os sexos, foram submetidas à avaliação clínica da cavidade oral e à aplicação do questionário OSA-18, acompanhadas dos respectivos responsáveis, entre maio de 2016 e junho de 2017.

Resultados

Das 150 crianças, 87 (58%) apresentaram respiração bucal (RB). Destas, 36 (41%) apresentaram má oclusão, 46 (52%) cárie dentária, 43 (49%) bruxismo e 43 (49%) chuparam dedo ou chupeta, comparado a 38%, 36%, 23% e 41%, respectivamente, nas 63 crianças com respiração nasal (RN). 32 RB mostraram moderado a grave impacto do distúrbio do sono na qualidade de vida, enquanto apenas 5 dos RN mostraram moderado impacto. A média do OSA-18 foi de 49,34 e a mediana 46. 113 (75%) crianças mostraram leve impacto e dentre estas, 55 (48%) apresentaram respiração bucal, 47 (41%) má oclusão, 48 (42%) cárie dentária, 38 (33%) bruxismo e 48 (42%) chuparam dedo ou chupeta. Nas 22 (15%) com moderado impacto, as proporções foram 77%, 13%, 54%, 41% e 54%, e nas 15 (10%) com grave impacto, foram 100%, 66%, 60%, 73% e 60%, respectivamente. Não foi encontrada diferença estatística significativa nos resultados do questionário OSA-18 para grave impacto entre os gêneros e as faixas etárias (p=0,5576 e p=0,7218), mas foi encontrada entre a incidência de respiração bucal e a idade (p=0,0354).

Conclusões

Foram observadas evidências significativas de problemas respiratórios, incluindo distúrbios do sono, associados a alterações bucais, sugerindo uma relação considerável entre respiração bucal em crianças e complicações no crescimento craniofacial. O impacto na qualidade de vida das crianças alerta sobre a importância de uma maior conscientização dos profissionais de saúde na avaliação rotineira dos distúrbios do sono.

Palavras-chave

distúrbios do sono, respiração bucal, má oclusão, cárie dentária.

Área

Área Clínica

Instituições

Faculdade de Medicina de Botucatu - FMB/UNESP - Sao Paulo - Brasil

Autores

Ricardo Leão Castilho, Lucas Hideki Matsumoto, Gustavo Leão Castilho, Silke Anna Theresa Weber