Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Eficiência e latência do sono em pacientes submetidos à Polissonografia tipo II

Introdução

A Polissonografia (PSG) é o exame padrão ouro para o diagnóstico da maioria dos distúrbios do sono. Várias funções do paciente em sono natural como o funcionamento cerebral, movimentos dos olhos, tônus muscular do queixo, fluxos aéreo nasal e oral, sensores de esforço respiratório, eletrocardiograma, oximetria, além de sensores de ronco, posição e de movimentos de membros são analisados. Uma importante análise acerca das variáveis fisiológicas do paciente nas diversas fases do sono é possível, inclusive a avaliação da eficiência e da latência do sono durante a realização do exame. A latência do sono é o período de tempo que é preciso para realizar a transição da vigília para o sono total. Já a eficiência do sono é um dado que refere se o paciente efetivamente teve uma boa noite de sono ou não, uma vez que é uma razão entre o tempo de registro e o tempo de sono, correlacionando com as fases do mesmo.

Objetivo

Avaliar a eficiência e a latência do sono em indivíduos submetidos à Polissonografia tipo II em ambiente domiciliar.

Métodos

Foram analisados os laudos procedentes da realização da polissonografia tipo II, em ambiente domiciliar, no primeiro semestre de 2017. Correlacionou-se os achados de eficiência e latência do sono à faixa etária, ao Índice de Massa Corpórea (IMC) e ao sexo dos pacientes.

Resultados

Obteve-se que dentre 15 laudos de polissonografia realizados em ambiente domiciliar, 53% dos pacientes pertenciam ao sexo masculino e 47% ao sexo feminino; 33% dos pacientes correspondiam à faixa de 31- 40 anos. Em ambos os sexos foi equiparada a taxa de 46,66% tanto em pacientes com eficiência reduzida do sono com latência do sono aumentada quanto com a eficiência do sono reduzida. Dos exames realizados, apenas 1 caso (6%) não apresentou alteração no sono. Foi evidenciado que o IMC de sobrepeso e obesidade grau I se relaciona com 100% dos casos no sexo masculino que apresentou eficiência do sono reduzida. Nos demais cenários, o IMC não foi um dado expressivo.

Conclusões

No presente estudo a eficiência do sono estava reduzida ou reduzida e com latência do sono aumentada de forma significativa na amostragem de ambos os sexos e a correlação com o IMC foi expressiva nos pacientes do sexo masculino.

Palavras-chave

Polissonografia; Latência do sono; Eficiência do sono.

Área

Área Clínica

Autores

Lidiane Conceição Santana, Carolina Almeida Simoes Oliveira Regis, Mitilene Florêncio Nascimento