Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFIL DO ÍNDICE DE APNÉIA E HIPOPNÉIA DE PACIENTES SUBMETIDOS À POLISSONOGRAFIA TIPO III EM AMBIENTE DOMICILIAR

Introdução

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 45% da população mundial não dorme o suficiente e 30% da população apresenta um distúrbio do sono. Neste contexto, o ronco e a apneia recebem destaque em função da constante presença de pacientes dessas patologias em consultórios e ambulatórios do sono. O IAH (índice de apneia e hipopneia) é classificado como de grau leve, moderado ou severo. Entender o perfil dos pacientes apneicos e analisar suas condições é de extrema importância para a caracterização da apneia, seu perfil social e epidemiológico nos dias atuais. A Polissonografia, exame padrão para o diagnostico a partir do monitoramento noturno do sono, fornece o IAH além de outras variáveis que permitem a análise de cada paciente.

Objetivo

Atualizar o perfil do IAH de pacientes submetidos à polissonografia tipo III em ambiente domiciliar, comparando-o ao perfil encontrado em edição publicada do mesmo estudo nos anos de 2015 e 2013.

Métodos

Foram analisados os laudos procedentes da realização da polissonografia tipo III, no primeiro semestre de 2017. Correlacionou-se aos IAHs, a faixa etária e o sexo dos pacientes. Posteriormente, avaliaram-se as homogeneidades e heterogeneidades apresentadas entre o estudo atual e os achados do mesmo estudo realizado entre janeiro de 2012 a agosto de 2013 e de agosto de 2014 a agosto de 2015.

Resultados

Obteve-se que dentre 80 laudos de polissonografia tipo III realizados em ambiente domiciliar, 56% dos pacientes eram do sexo masculino; 29% pertencentes a faixa etária entre 41 e 50 anos; sendo que a taxa mais representativa de IAHs (40%) se relacionou ao grau moderado desses eventos. Os achados referentes ao sexo feminino foram similares ao sexo oposto, já que parcela mais significativa das pacientes, pertencia à faixa etária de destaque masculina e também apresentaram IAH moderado em 37% dos laudos analisados. A comparação desses achados com os resultados obtidos nos estudos anteriores revela a manutenção da faixa etária masculina submetida à polissonografia domiciliar tipo III (41–50 anos) e ampliação da faixa etária feminina de 41-50 anos para 41 – 60 anos; além da redução de 55% do índice de IAHs acentuados em ambos os sexos.

Conclusões

O perfil de IAHs de pacientes submetidos à polissonografia tipo III em ambiente domiciliar é moderada, destacando relevância desse achado em ambos os gêneros estudados, sendo atualizada a faixa etária de pacientes mais submetidos ao exame.

Palavras-chave

Polissonografia; exame domiciliar; monitoramento do sono

Área

Área Clínica

Autores

Lidiane Conceição Santana, Carolina Almeida Simões Oliveira Regis