Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Estudar no período da noite está associado ao maior risco de obesidade

Introdução

A prevalência de excesso de peso vem aumentando entre estudantes universitários, possivelmente devido a adesão de um estilo de vida não saudável, que inclui hábitos alimentares inadequados, sedentarismo e mudanças no padrão de sono. Alguns estudantes enfrentam dupla jornada, exercendo atividades além daquelas relacionadas ao meio acadêmico, o que pode limitar o tempo disponível para realizar refeições e exercício físico, além de restringir o tempo de sono.

Objetivo

Determinar a associação entre excesso de peso entre universitários que estudam no período da manhã e no período da noite.

Métodos

Foram incluídos 204 estudantes (107 do período diurno e 97 do período noturno). Primeiramente, foi administrado um questionário abordando características sociodemográficas, como idade, atividades extracurriculares, trabalho, estágio), frequência da prática de atividade física, hábitos de sono (horário de dormir e acordar em dias de semana e aos finais de semana). Altura, peso corporal e circunferência da cintura (CC) foram medidos e o índice de massa corporal (IMC) foi calculado. Análise de regressão logística foi feita para turnos de estudo e outros fatores que possivelmente estejam associados com o excesso de peso.

Resultados

Estudantes do período noturno apresentaram maiores frequências de IMC e CC elevados, quando comparados aos estudantes do período diurno. Mulheres apresentam maior risco de apresentarem excesso de peso (OR ajustado: 6.21; IC 95%: 2.57 a 15.0), assim como estudantes com idade entre 20 e 30 anos (OR ajustado: 8.75; IC 95%: 1.92 a 39.72) e com idade superior a 30 anos (OR ajustado: 28.98; IC 95%: 3.28 a 255.36). Em adição, estudar no período noturno foi associado com maior chance de ter excesso de peso (OR ajustado: 2.46; IC 95%: 1.09 a 5.55). Estudantes do período noturno apresentaram maior risco de excesso de peso (31.9% versus 13.1%, respectivamente) e maiores taxas de obesidade abdominal (34.0% versus 13.1%, respectivamente).

Conclusões

Diante dos resultados encontrados, surge a necessidade de investigar quais são os fatores, tais como consumo alimentar, prática de exercício físico e padrão de sono, que levam a maior chance de estudantes do período noturno apresentarem excesso de peso em relação aos estudos do período diurno, para que programas de intervenção específicos para estudantes universitários sejam criados, considerando a prevenção do desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis.

Palavras-chave

Estudantes universitários, sono, antropometria, excesso de peso, obesidade

Área

Área Clínica

Autores

Catarina Mendes Silva, Mariana Tavares Miranda Lima, Maria Carliana Mota, Samantha Lemos Paim, Catarina Machado Azeredo, Cibele Aparecida Crispim