Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RELAÇÃO ENTRE A FREQUÊNCIA DE EVENTOS RESPIRATÓRIOS E POSIÇÃO SUPINA DURANTE O SONO: RELATO DE SÉRIE DE CASOS DE CRIANÇAS SAUDÁVEIS

Introdução

Distúrbios respiratórios do sono (DRS) têm sido relatados em cerca de 4% da população pediátrica e a posição supina tem sido apontada como influente na frequência de eventos respiratórios e nos DRS. Esses eventos podem interferir na qualidade do sono e no desenvolvimento infantil.

Objetivo

Exibir uma série de casos de crianças saudáveis com presença de síndrome da apnéia e hipopnéia obstrutiva do sono (SAHOS) e a freqüência desses eventos nas posições supina (PS) e não supina (NS).

Métodos

Estudo analítico observacional transversal incluiu crianças saudáveis, com idades entre 9 e 13 anos. A higidez foi controlada por meio do questionário ISAAC indicando ausência de asma e exame de espirometria (Easy One Frontline-ndd Medical Technologies, Inc. EUA) apresentando parâmetros normais. Realizou-se duas polissonografias noturnas domiciliares (STARDUST II, Philips Respironics), com intervalo máximo de 7 dias. Foi considerado para análise o melhor exame, sendo este o de maior tempo de registro e melhor qualidade de sinal dos sensores. Após o download no programa Stardata (Philips Respironics), conduziu-se a análise dos exames em épocas de 2 minutos. Os dados obtidos foram classificados segundo a American Academy of Sleep Medicine (2012) e apresentados sob forma de tendência central e freqüência (software SPSS®20.0).

Resultados

Participaram do estudo 5 crianças, com média de idade de 10,8 anos, sendo 4 meninas. O tempo médio de registro do sono foi de 430 minutos (7,1 horas) e, deste total, as crianças permaneceram cerca de 61,3% (4,5 horas) do tempo de sono na PS. A média de eventos respiratórios por noite foi de 21, sendo que na PS foi de 15 eventos, o que representa 71% dos eventos totais registrados. Os valores de IAH (índice de apnéia e hipopnéia) variaram entre 2 e 4,3 (média de 2,9 IAH). Do total de crianças, 80% apresentou maior frequência de eventos respiratórios durante o sono na PS.

Conclusões

Os achados sugerem que a PS facilita os DRS e a freqüência deles na população pediátrica, possivelmente por favorecer o aumento de resistência nas vias aéreas superiores.

Palavras-chave

Fisioterapia. Criança., Sono. Apnéia do Sono. Pneumologia.

Área

Relato de Caso

Autores

Bianca Dana Horongozo Itaborahy, Renata Maba Gonçalves, Renata Martins, Janaína Cristina Scalco, Camila Isabel Santos Schivinski