Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Estenose Congênita de coanas bilateral e alterações na microestrutura do sono: relato de caso

Introdução

A estenose nasal bilateral congênita é uma doença rara ainda não bem descrita como fator de risco para a síndrome de resistência das vias aéreas superiores (SRVAS). O diagnóstico e tratamento precoces desta síndrome podem evitar sonolência diurna, fadiga, ronco, além de prejuízo cognitivo e desatenção. O Padrão Alternante Cíclico ou cyclic alteranting pattern (CAP), considerado como parte do processo do despertar e um marcador de instabilidade do sono, pode esclarecer melhor as queixas dos pacientes com SRVAS.

Objetivo

O objetivo deste trabalho é ilustrar o caso de um paciente com respiração oral e SRVAS devido à estenose coanal bilateral, analisando a microestrutura do sono através da marcação de CAP, antes e após o tratamento cirúrgico.

Métodos

Homem de 22 anos com rinite alérgica, déficit de atenção, obstrução nasal crônica, bilateral, noturna e diruna, queixas de insônia crônica, fadiga e ronco. A nasoendoscopia mostrou estenose bilateral de coanas. Foi submetido à correção da estenose coanal e turbinectomia. Nas Polissonografias do tipo I pré e pós-operatórias, foram analisadas a macro e a microestrutura do sono. Também foi marcado o índice de RERA ( esforço respiratório relacionado ao despertar). Calculou-se o número, a duração e o índice de cada subtipo da fase de A do CAP (A1, A2 e A3).

Resultados

Comparando-se os resultados clínicos e polissonográficos do pré e do pós operatório, observamos uma normalização do índice de RERA, melhora da queixa de sonolência excessiva e melhora da obstrução nasal. Quanto à análise da microestrutura houve uma redução significativa do número, duração e índices de fase A do CAP em geral.

Conclusões

A SRVAS é subdiagnosticada e pouco estudada. Após a cirurgia nasal para correção da atresia coanal, houve redução significativa do índice, duração e quantidade de fase A do CAP. A menor duração de A3 pode estar associada à melhora clínica e menor fragmentação do sono. A análise da microestrutura do sono destes pacientes pode facilitar a compreensão mais objetiva da SRVAS.

Palavras-chave

estenose coanal, síndrome de resistência de vias aéreas superiores, padrão alternante cíclico.

Área

Relato de Caso

Instituições

UNIRIO - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

Débora Petrungaro Migueis , Paula Vallegas Soares Bilouro , Glenda Corrêa Borges de Lacerda , Lúcia Joffily , Fernando Andreiuolo Rodrigues , Denise Duprat Neves , Lucas Neves de Andrade Lemes , Maria Helena de Araújo Melo