Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

COMPARAÇÃO DO MODO DE AÇÃO DE DOIS APARELHOS ORAIS DE AVANÇO MANDIBULAR PARA TRATAMENTO DE APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO – RELATO DE CASO.

Introdução

O aparelho oral de avanço da mandíbula (AOm) é indicação para tratamento de AOS, conforme o guia clínico de prática de 2015. O uso do AOm para tratamento da AOS é seguro e confortável e as características do design do AOm podem ter um impacto na eficácia e eficiência da terapia. O design do AOm pode diferenciar conforme a forma de desoclusão em conjunto com o posicionamento do mecanismo de avanço mandibular.

Objetivo

Demonstrar o modo de ação de dois diferentes design de AOm com EMG e TCCB em paciente com AOS.

Métodos

Participou deste estudo uma voluntária caucasiana do sexo feminino de 54 anos com relação de oclusão dental de classe I de Angle. A paciente foi submetida a dois exames de diagnóstico: TCCB para analisar o Volume das Vias Aéreas Superiores (VVAS) e EMG de superfície para análise da atividade dos músculos mastigatórios, com dois tipos de AOm: ARMIO (Aparelho Reposicionador Mandibular Intra-Oral) e DIORS® (Dispositivo Intra-Oral Restaurador do Sono). A EMG foi realizada na FOP-UNICAMP, (Piracicaba-SP); e a TCCB no Centro de Documentação Radiológica SPEED X (Jundiaí-SP).

Resultados

Os dados demonstram o comportamento dos músculos masseter e hióideos em três situações: sem aparelho, com o AOm-ARMIO e com o AOm-DIORS®, nas condições de repouso, deglutição e contração voluntária máxima (CVM). O AOm que mais se aproximou da situação de repouso, durante a deglutição foi o AOm-DIORS®. Na condição de CVM, houve menor requisição de fibras musculares com o AOm-DIORS® em relação à situação basal e com AOm-ARMIO. Com relação as medidas cefalométricas, verificamos que os dois AOm apresentaram resultados similares tanto no aumento da altura facial inferior e distância Hióide-C3, como na redução da altura H-ENP. Com relação ao exame de TCCB, no que diz respeito ao VVAS, podemos verificar que foi registrado aumento do VVAS em ambos os AOm, mas com maior aumento no AOm-DIORS®, mediado pelo aumento em suas dimensões laterais e antero-posteriores.

Conclusões

A utilização das técnicas utilizadas na propedêutica auxiliou na demonstração das diferenças na ação muscular e no VVAS. Frente aos resultados, pretendemos reproduzir este estudo em uma amostra estatisticamente adequada de pacientes com AOS tratados com dois tipos de AO acrescido de polissonografia basal de noite inteira e com o AOm, para comparar a influencia do design do AOm na eficácia e eficiência do tratamento de AOS.

Palavras-chave

Apneia obstrutiva do sono, Aparelho Oral, Tratamento, Eletromiografia, Tomografia Computadorizada Cone-Beam.

Área

Relato de Caso

Autores

Denise Fernandes Barbosa, Liege Maria Di Bisceglie Ferreira, Silvana Rios Braga Mussi, Fausto Bérzin