Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

REPERCUSSÕES DA PRÁTICA DO YOGA SOBRE VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS, QUALIDADE DO SONO E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSAS HIPERTENSAS

Introdução

A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) é considerada um dos principais problemas de Saúde Pública no mundo. Estratégias de enfrentamento da doença têm sido amplamente estudadas e o Yoga pode atuar como coadjuvante ao tratamento médico com resultados expressivos. Estudos evidenciam que a prática do Yoga traz significativa queda nos valores da pressão arterial, redução da deterioração da função cardiovascular relacionada a idade, além de demostrarem valores reduzidos e significativos das frequências cardíaca e respiratória, e melhoras nos perfis bioquímicos. Portanto, além da investigação dos objetivos, esta pesquisa se voltou para uma ação não farmacológica ao combate a hipertensão utilizando-se práticas de Yoga.

Objetivo

Avaliar a influência da prática do Haṭha Yoga sobre os valores da pressão arterial (PA), frequência cardíaca (FC), frequência respiratória (FR) e saturação de oxigênio (SatO2) em indivíduos hipertensos, além de avaliar a qualidade do sono e a qualidade de vida.

Métodos

Estudo clínico randomizado com amostra de 40 indivíduos (n=40) do gênero feminino, com idade média 68 anos, sendo 20 indivíduos pertencentes ao grupo controle (GC) e 20 indivíduos pertencentes ao grupo intervenção (GI). O Grupo Controle participou de uma palestra sobre técnicas respiratórias e o Grupo Intervenção foi submetido a um protocolo de Yoga durante cinco semanas, com três sessões semanais e duração de 55 minutos. Ambos os grupos responderam o questionário de Qualidade do Sono de Pittsburg, o Questionário SF-36 e tiveram a FR, Sat.O2, PA e FC avaliadas.

Resultados

Na comparação entre os grupos para os dados obtidos antes e após a intervenção foi encontrado diferença estatisticamente significante na diminuição da frequência cardíaca para o GI. A prática da Yoga demonstrou queda dos valores de PA, com diminuição de 4,37% dos valores de pressão sistólica, e 1,57% de queda do valor da pressão diastólica, porém sem significância estatística. Observou-se melhora estatisticamente significativa nos domínios Limitação por aspectos físicos e Vitalidade do SF-36, e melhora no domínio Sonolência Diurna do Questionário de Qualidade do Sono de Pittsburg.

Conclusões

Conclui-se que o Yoga se mostra eficiente em promover alterações fisiológicas positivas, além da melhora de alguns aspectos da qualidade de vida e da qualidade do sono, sendo portanto uma técnica valida como recurso complementar e opção não farmacológica em tratamentos para pacientes hipertensos.

Palavras-chave

Pressão Arterial, Frequência Cardíaca, Yoga, Qualidade do Sono

Área

Área Clínica

Autores

Isabel Cristina Junqueira Do Val, Eliana Corrêa dos Santos, Patricia Daniele Piaulino de Araujo