Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Comparação de características clínicas, antropométricas e do sono de indivíduos obesos sem e com Apneia Obstrutiva do Sono.

Introdução

A Apneia Obstrutiva do Sono (AOS) e a obesidade são duas condições comuns que têm crescido em todo o mundo. Estima-se que 58% da AOS moderada/grave é devido à obesidade. Entretanto, apesar de bem estabelecido que a obesidade é um fator de risco para a AOS, não é claro quais fatores permitem que uma significativa parcela da população obesa não possua AOS.

Objetivo

Investigar diferenças de características clínicas e antropométricas entre indivíduos obesos sem e com AOS em uma amostra adulta do estudo ELSA-Brasil (Estudo Longitudinal da Saúde do Adulto) da cidade de São Paulo.

Métodos

Esta é uma análise transversal usando uma amostra de obesos do estudo ELSA-Brasil, que realizaram poligrafia domiciliar (EMBLETTA GOLD). A AOS foi diagnosticada por um IAH≥15 eventos/hora. Os grupos sem (S-AOS) e com AOS (C-AOS) foram comparadas usando ANOVA ou o teste U de Mann-Whitney. A regressão logística multivariada foi realizada para a associação entre características clínicas e antropométricas com a AOS.

Resultados

Foram realizadas poligrafias em 500 participantes obesos e destes 270 (54%) tinham AOS. A frequência de obesidade leve (30≤IMC<35) foi de 81,3% e 66,7% (p<0,05); moderada (35≤IMC>40) de 15,2% e 25,6% (p<0,05) e obesidade mórbida (IMC≥40) 3,5% e 7,8%, sem e com AOS respectivamente. O grupo C-AOS apresentou maior frequência de homens (49,3% vs. 26,5%), maior idade (50,2±7,9 vs. 48,7±8,1), alto risco para AOS (79,3% vs. 64,8%), de hipertensão arterial (48,1% vs. 36,5%), de fraca intensidade de atividade física (87,7% vs. 79,3%) e menor frequência de depressão (3,3% vs. 9,1%) e de tabagismo (8,5% vs. 15,7%). O IAH foi maior no grupo C-AOS (29,7 vs. 9,2). Os participantes C-AOS tinham maior IMC (34,3±4,0 vs. 32,8±3,0), circunferência da cintura (105,8±9,5 vs. 100,4±8,7), cervical (39,1±3,8 vs. 37,2±3,4) e relação cintura-quadril (0,94±0,08 vs. 0,90±0,08) do que aqueles sem AOS. Os resultados da análise de regressão logística mostraram que são fatores independentemente relacionados com a presença da AOS: sexo masculino (OR=3,4; 2,2-5,3), idade (OR=1,04; 1,01-1,06), alto risco Berlim (OR=2,4; IC 1,5 – 3,8), IMC (OR=1,2; IC 1,1-1,3), depressão (OR=0,3; IC 0,1-0,7) e tabagismo (OR=0,5; IC 0,3-0,9).

Conclusões

Indivíduos obesos com AOS apresentavam maior gravidade da obesidade. O sexo masculino, a idade, a presença de alto risco Berlim e o IMC estão independentemente associadas com a AOS. Circunferência cervical, da cintura e a relação cintura-quadril não foram preditivos de AOS.

Palavras-chave

AOS. OBESIDADE. PREDITORES.

Área

Área Clínica

Instituições

Hospital Universitário USP - Sao Paulo - Brasil, INCOR - Faculdade de Medicina da USP - Sao Paulo - Brasil

Autores

Ronaldo Batista Santos, Wagner Alves Silva, Soraya Giatti, Bárbara K Parise, Aline Nogueira Aiello, Isabela M Bensenor, Paolo A Lotufo, Luciano Ferreira Drager