Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TRATAMENTO DA SÍNDROME DE APNEIA GRAVE ATRAVÉS DE 02 TIPOS DE APARELHO INTRA ORAL DE AVANÇO MANDIBULAR COM DIFERENTES DIMENSÕES VERTICAIS

Introdução

A síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) é um distúrbio respiratório, caracterizado por sinais e sintomas que impactam na qualidade de vida e aumento da mortalidade. Os aparelhos intraorais (AIO) de avanço mandibular mostram-se eficientes no tratamento da SAOS, sendo utilizados no ronco primário, nas apneias obstrutivas leves e em casos moderados e graves de não adesão à Pressão Positiva Contínua nas vias aéreas (CPAP).

Objetivo

Avaliar caso clínico de SAOS grave que não aderiu ao CPAP, sendo submetido ao tratamento com aparelho intraoral de avanço mandibular com abertura de dimensão vertical e aparelho de puro avanço ao longo de 8 anos.

Métodos

C.S.P, sexo feminino, 56 anos e índice de massa corporal (IMC) de 26,14 Kg/m2, Escala de Epworth 14, Índice de Apneias/Hipopneias (IAH) grave (51,0 ev/h) com 327 eventos respiratórios obstrutivos, sono fragmentado, ronco e saturação de oxigênio (SpO2 mínima) de 51%. Foram realizados 5 exames polissonográficos na Clínica do Sono em Porto Alegre – RS, sendo o primeiro exame realizado para comprovação de diagnóstico da SAOS e os demais para avaliação dos AIO sobre os eventos respiratórios obstrutivos, IAH e SpO2 no período de 2008 a 2016. Utilizou-se AIO de avanço de duas peças, maxilar e mandibular, independentes e com abertura da Dimensão Vertical (DV) (9 mm) e AIO articulado de puro avanço. Os desfechos foram aferidos através de polissonografias e o Questionário de Epworth.

Resultados

Durante 8 anos de uso dos AIO houve redução do IAH severo (51,0 → 5,0), do número de paradas respiratórias por noite (327 → 43) e redução do IMC (26,14 → 23,88 Kg/m²). O aparelho com abertura de boca de 9 mm e avanço mandibular em 84% resultou em IAH de 17, no entanto o AIO com 72% de avanço mandibular e abertura de boca de 3 mm resultou em IAH de 5,0. A última polissonografia, na qual foi obtido IAH de 10, demonstrou que o aparelho de puro avanço, que antes havia controlado a SAOS, apresentava redução na sua efetividade. Ressalta-se que ao longo dos 8 anos de acompanhamento do caso clínico a melhora da qualidade de vida foi aferida semestralmente por Questionários de Epworth.

Conclusões

A redução do Índice de Apneias/Hipopneias e do IMC demonstram a eficiência dos dispositivos intraorais de avanço mandibular, sendo o aparelho de avanço ajustado com o mínimo aumento de dimensão vertical o que demonstrou a diminuição da SAOS ao padrão de normalidade.

Palavras-chave

Apneia do Sono, Avanço Mandibular, Polissonografia.

Área

Relato de Caso

Autores

Antonio Rocha, Litiele Evelin Wagner, Almir Lima Jr, Fernanda Taís Pillat, Dulciane Nunes Paiva, Marilene Oliveira Trindade